• Início do Grupo do Luar
    1942
  • Hoje:
    Demônios da Garoa - 1943
Continuar Visualizando História

História

Tudo começou como um hobby... Na década de 40, os meninos entre 12 e 14 anos de idade, apaixonados por músicas, cantoria e batucada, se encontravam todas as noites após seus trabalhos na casa de Arnaldo, para tocar grandes sucessos da época, imitando grupos famosos, como: Quatro Ases e Um Coringa, Anjos do Inferno, Quitandinha e Serenaders, Vocalistas Tropicais, dentre outros. Arnaldo Rosa (vocal e ritmo), os irmãos Antônio e Benedito Espanha (que marcavam ritmo tocando Tantã e Afoxé), Waldemar Pezuol (no Violão), Zezinho (no Violão Tenor) e Bruno Michelucci (no Pandeiro), costumavam se apresentar em festinhas de amigos, serenatas e em clubes com o nome de Grupo do Luar, já sob o comando de Arnaldo Rosa. Não tinham grandes pretensões, nem recebiam nada em troca, somente os aplausos. De boca em boca, o grupo foi ficando conhecido e pessoas vinham de longe para ouvi-los. Moravam  e trabalhavam na Mooca e em bairros vizinhos, como Brás e Belém,  bairros onde ficaram conhecidos e sua fama se espalhava rapidamente (Arnaldo trabalhava na sapataria de seu pai, e os irmãos Espanha e Bruno, em uma indústria). Depois de muito ensaio e incentivos dos amigos, resolveram se inscrever no Programa de Calouros, da Rádio Bandeirantes, chamado “A Hora da Bomba”, apresentado por J. Antônio D'Avila, em 1943.

Grupo do Luar - 1942

  • Arnaldo Rosa, Vocal
  • Antonio Espanha, Tantã
  • Benedito Espanha, Afoxé
  • Zezinho, Violão Tenor
  • Bruno Michelucci, Pandeiro.
  •  

    A Primeira Apresentação do Grupo do Luar

    Em março de 1943 na Rádio Bandeirantes, Arnaldo Rosa, Antonio Espanha, Benedito Espanha, Zezinho, Vicente e Bruno Michelucci se apresentaram pela primeira vez como Grupo do Luar, no Programa de Calouros "A Hora da Bomba", comandado por J. Antônio D'Avila.   Nesta apresentação, interpretaram a música “Quem Se Aluga, São Miguel”. Encantam o auditório e sob muitos aplausos, conquistaram o primeiro lugar e ganham como prêmio um contrato com as Emissoras Unidas (Rádio: Record, Bandeirantes, Pan-Americana e São Paulo) para fazerem três apresentações semanais. Está dado o primeiro passo para uma longa carreira de sucessos!

    O Siri, O Siri ie ie. O Siri, O Siri ie ia

    Primeiro Sucesso

    Nas Emissoras Unidas (Record, Bandeirantes, Pan-Americana e São Paulo), onde faziam três apresentações semanais em diversos programas de rádio com o nome Grupo do Luar,  Arnaldo Rosa, Antonio Espanha, Benedito Espanha, Zezinho, Vicente e Bruno Michelucci  conheceram o famoso jornalista e radialista Vicente Leporace, no programa "A Hora da Bomba",  em março de 1943. Após um ano de contrato, o Grupo do Luar era destaque na programação das Emissoras Unidas e já havia conquistado admiração dos ouvintes. Vicente Leporace sugeriu aos meninos a troca do nome do conjunto, uma vez que na sua concepção, a palavra “Grupo” lembrava jogo-de-bicho e lançou em seu programa, um concurso convidando os ouvintes a enviarem-lhe cartas, sugerindo um novo nome àqueles endiabrados meninos da "terra da garoa". Dentre centenas de cartas que chegaram, a sugestão mais interessante foi Demônios da Garoa. Infelizmente, o nome do ouvinte que sugeriu este nome não ficou registrado. Desde então, Vicente Leporace tornou-se o Padrinho dos Demônios da Garoa.        Com novo nome, os Demônios da Garoa consolidaram-se como o grupo mais solicitado nas apresentações Rádio Bandeirantes, no quadro da PRH-9, comandado por Paulo Machado de Carvalho e passaram a ser disputados também por outras emissoras coligadas das Emissoras Unidas, a Rádio Record e a Rádio Nacional. Em 1947, se apresentaram para o diretor artístico da Record, Raul Duarte, por quem foram contratados imediatamente, assinando um contrato que duraria 12 anos. O grande sucesso conquistado nesta emissora foi tamanho, que em 1950 os Demônios da Garoa tornaram-se um dos destaques do elenco fixo de conjuntos da Record, ao lado de "Vagalumes do Luar, Regional do Armandinho, etc.   Em 1949, os Demônios da Garoa fizeram um arranjo para a música "Muié Rendeira", interpretando-a ao lado de Homero Marques, na trilha sonora do filme "O Cangaceiro", de Lima Barreto, campeão do Festival de Cannes (Melhor Filme de Aventura em 1953), onde conheceram Adoniran Barbosa. Ao completarem 7 anos de carreira, os Demônios da Garoa entram pela primeira vez num estúdio de gravação.   .